Temam a Deus

VERSO PARA MEMORIZAR:


Leituras da semana:
Leia para o estudo desta semana: Apocalipse 14:7, 12.
Apartir do Título, e do estudo da semana, anote suas impressões sobre o que se trata a lição:

Pesquise: em comentários bíblicos, livros denominacionais e de Ellen G. White sobre temas neste texto: Apocalipse 14:7, 12.

* Estude a lição desta semana para se preparar para o Sábado, 22 de Abril.

Orando por novos amigos

Elena Bagal sentiu-se solitária em Kochel, Alemanha. Nascida na Sibéria, ela não conhecia ninguém quando sua família chegou e seu alemão era fraco. Conforme os dias passavam, ela sentia falta da vida que havia desfrutado na Rússia. Um dia, ela clamou ao Senhor por um novo amigo. "Realmente preciso de um amigo para passar o tempo", ela orou.

Ela não percebeu que não era a única mãe russa falando e pedindo por amigos. Snezhana havia se mudado para a cidade um ano antes em meio a dificuldades familiares. No mesmo dia em que Elena orou por um amigo, Snezhana clamou a Deus: "Senhor, não tenho mais forças! Como posso continuar vivendo? Ajuda-me a conhecer alguém para compartilhar minhas dificuldades".

Snezhana tinha dois filhos, de 7 e 9 anos, mas raramente iam ao parquinho. Naquele dia, porém, foram ao parquinho. Elena, que havia acabado de orar por um amigo, levou sua filha para o mesmo parquinho. Ela cumprimentou Snezhana em alemão, mas logo percebeu que ambas falavam russo.
Ela não podia acreditar! Ela pensou que a mãe e as crianças eram turistas visitantes, mas acabou descobrindo que moravam na cidade e estavam procurando novos amigos. Suas famílias se tornaram amigas íntimas. "Deus me permitiu conhecê-la para que eu tivesse uma amiga", disse Snezhana recentemente a Elena. Elena envia músicas encorajadoras e sermões edificantes para Snezhana. Ela está orando para que Snezhana concorde em estudar a Bíblia.

Depois do encontro, Elena continuou orando por novos amigos. Um dia, ela conheceu Natasha, uma falante de russo que precisava de encorajamento. As mulheres se tornaram amigas e, hoje em dia, Elena envia regularmente promessas bíblicas a Natasha. Elena continuava orando por novos amigos. Durante as compras, ela conheceu Irina, outra falante de russo, e a convidou para visitar sua casa. As duas mulheres agora se encontram a cada duas semanas. Às vezes, Elena dá massagens em Irina e, a cada vez, ela ora. Na última vez em que ela deu uma massagem, Irina orou pela primeira vez. Elena descobriu que Irina às vezes frequentava uma igreja adventista antes de se mudar para Kochel. "Os caminhos de Deus são maravilhosos!", disse Elena. Ela ora para que Irina queira estudar a Bíblia com ela e que possa começar um pequeno grupo para falantes de russo em sua casa. Enquanto isso, ela continua orando por novos amigos. Você ora por novos amigos?


Fornecido pelo Escritório da Conferência Geral da Missão Adventista, que usa as ofertas missionárias da Escola Sabatina para espalhar o evangelho em todo o mundo. Leia novas histórias diariamente em www.AdventistMission.org.


Acreditamos que Deus aumentou o conhecimento de nosso mundo moderno e que Ele deseja que o usemos para Sua glória e proclamar Seu breve retorno! Precisamos da sua ajuda para continuar a disponibilizar a Lição da Escola Sabatina neste aplicativo. Temos os seguintes custos Firebase, hospedagem e outras despesas. Faça uma doação no nosso site WWW.EscolaSabatina.net

Aplaudindo o Apocalipse

O autor dinamarquês Søren Kierkegaard contou uma história sobre o fim do mundo. Era mais ou menos assim: Um incêndio começou nos bastidores de um grande teatro. Um palhaço, que fazia parte da apresentação, saiu para avisar o público: Saiam; o lugar está pegando fogo! O público achou que era só uma grande piada, parte do espetáculo, e aplaudiu.
Ele repetiu o aviso: Saiam! Saiam! Mas quanto mais enfaticamente ele os alertava, mais aplausos recebia. Para Kierkegaard, assim é como o mundo vai acabar: com o aplauso geral de pessoas que acham que é uma piada.

O fim do mundo e os eventos que levam a ele não são brincadeira. O mundo enfrenta a crise mais séria desde o Dilúvio. Na verdade, o próprio Pedro usa a história do Dilúvio como um símbolo do fim, alertando que assim como o mundo antigo pereceu pela água, nos tempos do fim, "os céus passarão com grande estrondo, e os elementos se dissolverão com fervente calor; tanto a terra quanto as obras que nela existem serão queimadas" (2 Ped. 3:10). Tendo sido avisados do que está por vir, devemos estar preparados para isso.

Temendo a Deus

Para a nossa geração, o propósito do livro de Apocalipse é preparar um povo para estar pronto para o retorno de Jesus e se unir a Ele para espalhar Sua mensagem nos últimos dias para o mundo todo. Apocalipse revela os planos de Deus e desmascara os planos de Satanás. Ele apresenta o apelo final de Deus, Sua mensagem urgente, eterna e universal para toda a humanidade.

A palavra grega para "medo" encontrada em Apocalipse 14:7 é "phobeo". Ela é usada aqui não no sentido de ter medo de Deus, mas no sentido de reverência, admiração e respeito. Ela transmite a ideia de lealdade absoluta a Deus e de total rendição à Sua vontade. É uma atitude mental que é centrada em Deus, em vez de ser centrada em si mesmo. É o oposto da atitude de Lúcifer em Isaías 14:13,14, quando ele diz em seu coração: "Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do Norte. Subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo".

Em vez disso, é a atitude de Cristo, que, embora "estivesse na forma de Deus, ... se humilhou a si mesmo, tornando-se obediente até a morte, e morte de cruz" (Filipenses 2:6,8). A essência da grande controvérsia gira em torno da submissão a Deus. Lúcifer era egoísta. Ele se recusou a se submeter a qualquer autoridade além da sua própria. Em vez de se submeter ao que estava no trono, Lúcifer desejava governar a partir do trono. Em termos simples, temer a Deus é colocá-Lo em primeiro lugar em nosso pensamento. É renunciar ao nosso egoísmo e orgulho e viver uma vida totalmente para Ele.

Obviamente, deve ser importante, já que são as primeiras palavras da boca do primeiro anjo dos três. Portanto, devemos prestar atenção. A Bíblia revela uma conexão entre o temor a Deus e a obediência aos Seus mandamentos (Deut. 6:2; Sl. 119:73, 74; Ec. 12:13, 14). Temer a Deus é ter uma atitude de respeito reverente que nos leva à obediência. O apelo urgente do céu é para que aqueles salvos pela graça sejam obedientes aos mandamentos de Deus (Ef. 2:8–10). A graça não nos liberta da obrigação de obedecer aos mandamentos. O evangelho nos liberta da condenação da lei, não da nossa responsabilidade de obedecê-la. A graça não apenas nos liberta da culpa do nosso passado, mas também nos capacita a viver vidas piedosas e obedientes no presente. O apóstolo Paulo declara que "recebemos graça e apostolado para a obediência da fé entre todas as nações" (Rm. 1:5).

Existem pessoas que têm a estranha ideia de que a salvação pela graça de alguma forma nega a lei de Deus ou minimiza a necessidade de obediência. Eles acreditam que qualquer conversa sobre obediência é legalismo. Eles declararam: "Tudo o que eu quero é Jesus." A questão é, qual Jesus? Um Jesus de nossa própria criação, ou o Jesus das Escrituras? O Cristo das Escrituras nunca nos leva a minimizar Sua lei, que é a transcrição de Seu caráter (veja João 1:1, 14). O Cristo das Escrituras nunca nos leva a minimizar as doutrinas da Bíblia, que revelam mais claramente quem Ele é. Cristo é a personificação de toda verdade doutrinária. Ele é a verdade encarnada e a doutrina vivida.
O apelo final do livro do Apocalipse nos chama, através da fé em Jesus, a aceitar a plenitude de tudo o que Ele oferece. Ele nos chama a "temer a Deus", o que é expresso pela fé em Sua capacidade de nos capacitar a viver vidas piedosas e obedientes.

Vida centrada em Deus

Em uma era de consumismo, em que valores seculares tornaram o "eu" o centro, o apelo do céu é para abandonar a tirania do egocentrismo e a escravidão da importância inflada do próprio "eu" e colocar Deus no centro de nossas vidas. Para alguns, o dinheiro é o centro de suas vidas. Para outros, é o prazer ou o poder. Para outros ainda, pode ser esportes, música ou entretenimento. A mensagem do Apocalipse é um chamado claro para temer, respeitar e honrar a Deus como o verdadeiro centro da vida.

A questão principal no conflito final da Terra é uma batalha pela mente. É uma questão de lealdade, autoridade e compromisso com a vontade de Deus. A batalha final na grande controvérsia é entre o bem e o mal para ver quem controla nossos pensamentos. O apóstolo Paulo nos dá esta admoestação: "Tenha em vocês o mesmo modo de pensar que Cristo Jesus" (Filipenses 2:5). A palavra "tenha" significa permitir ou escolher. Fala de um ato volitivo da vontade. A mente é a cidadela do nosso ser.
A decisão de ter a mente de Cristo é a decisão de permitir que Jesus molde nosso pensamento e, por extensão, nosso ser, enchendo nossa mente com as coisas da eternidade. A mente é a fonte de nossas ações, e nossas ações revelam onde está nosso processo de pensamento. Temer a Deus é colocá-Lo em primeiro lugar em nossas vidas.

Pense em como é fácil, em certo sentido, controlar seus pensamentos, pelo menos quando você está consciente de que precisa controlá-los. O problema muitas vezes é que, a menos que façamos um esforço consciente para pensar nas coisas certas, nas "coisas lá do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus" (Colossenses 3:1), nossas mentes, caídas e pecaminosas como são, naturalmente tenderão para coisas baixas, as coisas do mundo. Precisamos, portanto, escolher de propósito e deliberadamente, usando o presente sagrado do livre arbítrio, pensar nas coisas celestiais, como Paulo disse.

"Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for justo, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de virtuoso ou algo que mereça louvor, pensem nessas coisas" (Filipenses 4:8).

Um estudo sobre o uso da frase no Antigo Testamento "dar glória a Deus" mostra que, interessantemente, ela frequentemente aparece, embora nem sempre, no contexto do julgamento divino (Josué 7:19; 1 Samuel 6:5; Jeremias 13:15, 16; Malaquias 2:2), assim como na mensagem do primeiro anjo (Apocalipse 14:7). Essa ideia também é vista em Apocalipse 19:1,2: "Aleluia! A salvação e a glória e o poder pertencem ao nosso Deus! Porque verdadeiros e justos são os seus juízos".

Segundo o apóstolo Paulo, nossos corpos são um santuário, a morada do Espírito de Deus, um templo santificado pela sua presença. As Escrituras nos chamam, sem sombra de dúvida, a glorificar a Deus em todos os aspectos de nossas vidas.
Quando Deus é o centro de nossas vidas, nosso único desejo é dar-lhe glória, seja em nossa dieta, vestimenta, entretenimento ou interações com os outros. Glorificamos a Deus ao revelar seu caráter de amor ao mundo por meio de nosso compromisso em fazer a sua vontade. Isso é ainda mais importante à luz do julgamento final da Terra.

Em Romanos 12:1,2, a palavra grega para corpos é somata, que é melhor traduzida como a soma coletiva do que você é - corpo, mente e emoções. A tradução da Bíblia de J. B. Phillips da frase "serviço razoável" é "ato de adoração inteligente". Em outras palavras, quando você se compromete totalmente a "temer a Deus" e "glorificá-lo" em tudo o que faz, dando sua mente, corpo e emoções a Ele, é um ato de adoração inteligente. E, de fato, à luz do julgamento de Deus, é uma boa ideia prestar atenção e obedecer.

Momento de Reflexão

► Como equilibrar a gravidade dos eventos do último dia com a necessidade de viver a vida abundantemente?


► Pense no incrível poder de quem criou e sustenta todo o cosmos. Pense em como Ele é muito maior e mais poderoso do que nós. Como esses fatos nos ajudam a entender a ideia do "temor de Deus" e o que isso significa?


► Como podemos evitar o legalismo ao discutir os conceitos bíblicos de santidade, superação e vitória?


► Que erros estamos cometendo que não permitem que Cristo faça o seu trabalho? Como isso se parece na vida cotidiana?


► Como podemos transformar nossos desejos espirituais em ação?


► Quais são os passos práticos que podemos tomar para sermos um dos "vencedores" do Apocalipse?

A fé de Jesus

Aqui estão aqueles que obedecem aos mandamentos de Deus e têm fé em Jesus (Apocalipse 14:12). Isso é como Deus descreve as pessoas fiéis nos últimos dias. A única maneira de alguém obedecer aos mandamentos de Deus, tanto no passado quanto agora, é tendo fé em Jesus. Mas nossa passagem não diz "fé em Jesus". Embora isso também seja extremamente importante, a expressão "a fé de Jesus" significa algo mais. É a qualidade de fé que permitiu a Cristo vencer as tentações mais difíceis de Satanás.

A fé é um presente dado a cada crente. Quando exercemos a fé que o Espírito Santo coloca em nossos corações, essa fé cresce. Não vencemos por nossa própria força, mas pelo poder de Cristo vivo que age através de nós. Não vencemos por quem somos, mas por quem Ele é. Podemos vencer porque Ele venceu. Podemos ser vitoriosos porque Ele foi vitorioso. Podemos triunfar sobre a tentação porque Ele triunfou sobre a tentação.
Jesus, o Filho divino de Deus, venceu as astúcias do diabo. Ele enfrentou a tentação confiando nas promessas de Deus, entregando Sua vontade à do Pai e dependendo do poder do Pai. Confiamos Nele, olhamos para Ele, acreditamos Nele, e também podemos ser vitoriosos. Jesus é tudo para nós, e as mensagens dos três anjos falam sobre Ele.

A mensagem de Apocalipse é sobre vitória, não derrota. Ela fala de um povo que, pela graça Dele e pelo Seu poder, vence. A palavra "vencer" em uma forma ou outra é usada 11 vezes no livro de Apocalipse. Na visão das sete igrejas que representam a igreja cristã desde o primeiro século até os dias de hoje, há crentes em cada geração que João diz que "venceram". No fim dos tempos, aqueles que "vencerem" herdarão todas as coisas (veja Apocalipse 21:7). Isso não é legalismo.
É vitória através de Jesus Cristo, cuja vida perfeitamente justa e somente ela nos dá a promessa de vida eterna. É a fé em ação. É a graça transformadora, vida-mudando, milagrosa na vida do crente.

Vencendo como Ele venceu

A menos que a palavra sagrada seja valorizada, não será obedecida como um livro-texto confiável, seguro e precioso. Todo pecado que nos cerca deve ser deixado de lado. Uma guerra deve ser travada contra ele até que seja vencido. O Senhor trabalhará junto com nossos esforços. Assim como o homem finito e pecador trabalha para sua própria salvação com temor e tremor, é Deus quem trabalha nele, dando-lhe vontade e poder para fazer o que lhe agrada. Mas Deus não trabalhará sem a cooperação do homem.

Ele deve usar todo o seu poder; ele deve se colocar como um aluno apto e disposto na escola de Cristo; e quando ele aceita a graça que lhe é livremente oferecida, a presença de Cristo em seus pensamentos e em seu coração lhe dará a decisão de se livrar de todo peso do pecado, para que seu coração possa ser preenchido com toda a plenitude de Deus e de Seu amor. (Ellen G. White, Fundamentos da Educação Cristã [Nashville: Southern Publishing Association, 1923], 134.)

Uma provisão ampla foi feita para todos que sinceramente, seriamente e cuidadosamente se dedicam ao trabalho de aperfeiçoar a santidade no temor de Deus. Força e graça foram fornecidas por meio de Cristo, para serem trazidas pelos anjos ministradores aos herdeiros da salvação. Ninguém é tão baixo, tão corrupto e vil que não possa encontrar em Jesus, que morreu por eles, força, pureza e justiça, se abandonarem seus pecados, se afastarem do seu caminho de iniquidade e com plena determinação de coração buscarem o Deus vivo.

Ele está esperando para tirar suas roupas manchadas, poluídas pelo pecado, e vesti-los com a vestimenta pura de Sua justiça, para dizer-lhes para viver e não morrer. Nele, como ramos da Videira Viva, eles podem florescer. Seus galhos não vão murchar nem ser infrutíferos. Se eles permanecerem nele, eles podem se nutrir dele, serem impregnados com Seu Espírito, andar como Ele andou, vencer como Ele venceu e serem exaltados à Sua própria mão direita. (Ellen G. White, Temperança Cristã e Higiene Bíblica [Battle Creek, Mich.: Good Health Publishing Company, 1890], 140.)

Ter medo de Deus é o começo da sabedoria. Aqueles que vencem como Cristo venceu precisam constantemente se guardar contra as tentações de Satanás. Os desejos e paixões devem ser restritos e controlados pela consciência iluminada, para que a mente possa estar clara e os poderes perceptivos aguçados, de forma que as artimanhas de Satanás não sejam interpretadas como a providência de Deus. Muitos querem a recompensa final e a vitória que serão dadas aos vencedores, mas não estão dispostos a suportar o trabalho árduo, a privação e a negação de si mesmos, como fez o seu Redentor.

Somente através da obediência e do esforço contínuo é que vamos vencer como Cristo venceu. Ter medo de Deus - como é pouco praticado! Há pessoas que serão como os homens que ajudaram a construir a arca. Eles ouvem a verdade; têm todas as vantagens para se tornarem homens de valor moral, mas não escolhem a boa sociedade, e sim a corrupta.
Se houver uma influência que não seja divina, eles se juntarão a ela e se unirão a ela, e embora atuem na preparação da verdade que deve preparar um povo para permanecer no dia do Senhor, eles perecerão na ruína geral, como os carpinteiros de Noé que ajudaram a construir a arca. Deus os ajude para que não sejam dessa classe.